domingo, 14 de abril de 2019


...

 Contos à Lareira
de Fernando Aldeia


... Por assim dizer, é este o ato de fé e talvez de coragem que leva Fernando Aldeia (pseudónimo de Fernando Ferreirinha Antunes) a colocar no mercado livreiro a sua mais recente obra literária a que dá o nome “Contos à Lareira”, da Calígrafo edições - Contos - subdivididos por oito subtítulos, estendidos por cerca de noventa páginas, com um belo prefácio do escritor José Moreira da Silva.

Lidos e relidos estes contos, e colocando sobre eles um olhar atento e sempre apetecido, no deleite duma narrativa delineada que nos oferece uma vivência facilmente identificável onde se estabelecem passagens ficcionadas e que o autor as vai configurando em reais, nos lugares e nos seus espaços de eleição, nos costumes e formas de vida em que retracta um povo que faz parte e do seu ideário coletivo. Por aqui, encontramos um quadro de personagens que  dão voz, nome e vida adornada pelo maneio duma vivência social e cultural, e com eles o autor se move e se relaciona sem abdicar do papel de narrador, ao labor de um alinhamento da palavra, muito mais da sua liberdade e da sua singular maneira de escrever, assente em pormenores entrecortados por finos diálogos, como crisântemos a encher de voz estas páginas, porque um livro é, a nosso ver, o mais nobre e belo jardim das letras.

Nesta linha de conta, as palavras como se fossem as aves que voam os céus nordestinos, as palavras como se fossem os eternos dizeres da terra, esta terra que sempre nos segura os passos e nos ampara nas primeiras quedas, a terra como se fosse esse cântico  melodioso duma aventura ou o instante perfeito duma travessia, ao largo de Vinhais, amparada pela convivência de um sadio relacionamento com os outros, até mesmo aquele sopro de instinto que une os gestos às palavras, a terra enquanto maravilha da natureza e porto desse abrigo de efeitos transcendentes, o cais onde tudo se aflora e salta, agora, de página em página.

excerto do texto                                                                             

                                                                                        Álvaro de Oliveira 

Sem comentários:

Publicar um comentário