domingo, 5 de novembro de 2017







Um Outro Olhar Pela Escrita


Sempre que coloco o olhar por sobre uma obra literária e me sinto embalado pelo entusiasmo que ela me transmite, é aí que, por longos espaços de tempo, tomo as suas páginas como planícies de beleza, de liberdade e de prazer. Outras vezes caminho por sobre elas como quem anda à procura de si mesmo.
Sou feliz assim! Daí, ainda muito cedo, ter descoberto que leio por gosto, por vontade e por necessidade. Por gosto, porque amo a língua portuguesa; por vontade, porque ler, para mim, faz parte da minha alimentação diária; por necessidade, porque vou ao encontro da identidade do povo que somos.
É claro que o escritor tem ao seu dispor, enquanto peça de ferramenta, a palavra. É então que ele a coloca em constante mutação, procurando dar-lhe um sentido quase mágico que é igual ao poder de transmitir a mensagem que pretende dar ao leitor.
E ler não é apenas colocar um outro olhar sobre o olhar de quem escreve; é também beber pelos fabulosos e fantásticos rios da ficção e pelas searas indecifráveis e indefiníveis da poesia, é entrar na magia de uma estória, de um conto e de um romance e viver o sonho de um poema. É sentir a vida correr pelas grandes avenidas do pensamento e do saber. É, acima de tudo, ter sobre o objecto escrita um sentido crítico. É também ter o privilégio de saber que um livro fala-nos da memória do passado e nos projecta a luz para o futuro.



         Álvaro de Oliveira




Sem comentários:

Publicar um comentário