sexta-feira, 5 de maio de 2017




ESBOÇO - Livro de Poesia
             de 
Sílvia Mota Lopes



À partida começo por me sentir particularmente feliz com este curto texto onde encontro um discurso que me enche por dentro, porquanto se trata de uma obra que desafia a arte de poetizar e, por outro lado, permite à autora exprimir as suas emoções e os seus estados de alma. A partir daqui (e com que força!) provém o ensejo de transmitir em cada verso uma energia inesgotável capaz de cativar a atenção do leitor, sabendo-se que a poesia aparece identificada com a própria arte, o que tem plena razão de ser uma vez que a arte é por si mesma uma forma de linguagem. Assim, a poética também pode ser explicada, como o modo de uma pessoa se expressar usando recursos linguísticos e estéticos.
Uma ideia de mar quando as gaivotas beijam as sombras dos seus olhos, duas palavras unidas ao entardecer assente nos espelhos, os espelhos da imensidão ou a vibração do rosto, umas vezes agressivo, outras calmo e apaziguador em instantes de vento ou brisa apetecida pelas vagas, beijos que vestem as aves, ternos suculentos. Eis a razão pela qual me é grato citar Garcia Lorca: "A poesia é a união de duas palavras que ninguém poderia supor que se juntariam, e que formam algo como um mistério".

Por este alinhamento trago à liça estas breves considerações, não sem antes colocar em aviso de que a Sílvia possui já estatuto de uma poetisa de sonhos perfumados e líricos. Daí a admiração nutrida por uma escrita consequente, solta, breve e livre e a mensagem sempre um apelo aos eternos dizeres do tempo.

                                                                                                Álvaro de Oliveira
curto excerto  de um texto distribuído pela imprensa

Sem comentários:

Publicar um comentário